segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Gafanhoto-migratório

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Gafanhoto da espécie Locusta migratoria L. também conhecido pela designação de Gafanhoto-migratório. Pertence à Classe dos: Insecta; Ordem: Orthoptera; Subordem: Caelifera; Família: Acrididae; Subfamília: Oedipodinae; e Género: Locusta.
Os gafanhotos em geral e também os desta espécie, são animais extremamente vorazes, relativamente ao seu tamanho (4 a 6 cm de comprimento). Com o surgimento de condições favoráveis, os gafanhotos podem agrupar-se em grandes nuvens (formadas por indivíduos em número incontável) que, à medida que avançam à procura de comida, destroiem toda a vegetação que encontram à sua passagem, constituindo verdadeiras pragas. Este fenómeno ocorre com certa frequência no Norte de África.

domingo, 28 de setembro de 2008

Abelha-de-mel

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Abelha-de-mel, Abelha-europeia, ou, simplesmente, Abelha, são alguns dos nomes por que é conhecida a Apis mellifera mellifera L. (nome científico) pertencente à Classe dos Insecta (Ordem: Hymenoptera; Família: Apidae; Género: Apis; Espécie: Apis mellifera; Subespécie: Apis mellifera mellifera).
Insecto social, a Abelha-de-mel vive em colmeias (naturais ou artificiais feitas pelo homem que as explora) formadas por uma rainha, abelhas obreiras ou operárias (em número de vários milhares) e zangãos ou machos, em número bem inferior e cuja única função é a de fecundar a rainha que mais não faz que pôr ovos. O trabalho fica todo a cargo das obreiras.
A importância das abelhas deriva não só dos produtos que proporciona e de que o homem se aproveita (mel, pólen e própolis), mas sobretudo da sua intervenção na polinização das flores. Sem esse trabalho, há quem diga que a vida na terra não seria a mesma.
Nos últimos anos, as abelhas têm sido vítimas de várias doenças, algumas sem causa ainda conhecida, doenças que têm levado ao desaparecimento de numerosas colónias.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Cegonha-cabeça-de-martelo


(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Na imagem, um exemplar de Cegonha-cabeça-de-martelo (nome científico:Scopus umbretta Gmelin) também conhecida pelas designações de ave-cabeça-de-martelo, de ave-martelo e de pássaro-martelo. Pertence à Classe das Aves; à Ordem das Ciconiiformes e é membro único da Família Scopidae e do Género Scopus.
Características: A plumagem desta ave é acastanhada, apresentando um tufo de penas na nuca; tem o bico cónico, longo e forte e mede cerca de 56 cm de comprimento;
Habitat: Têm o seu habitat em zonas húmidas, na África ao Sul da Saará, em Madagáscar e no Sudoeste da Arábia;
Hábitos: É uma ave sedentária (não migra) alimentando-se em águas pouco profundas de anfíbios, peixes, crustáceos, vermes e insectos. Faz o ninho na bifurcação de ramos de árvores, ninhos que reaproveita e que vão aumentando de dimensão à medida que são refeitos;
Reprodução: A postura varia entre 3 a 6 ovos. O período de incubação dura cerca de 30 dias e a permanência das crias no ninho não chega aos 50 dias;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
A imagem foi captada no Jardim Zoológico de Lisboa.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Tigre-da-sibéria

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Exemplar de Tigre-da-Sibéria (Panthera tigris altaica Temminck), existente no Jardim Zoológico de Lisboa. É também designado pelos nomes de Tigre-siberiano e de Tigre-de-amur.
Características: É um mamífero da família dos felídeos, sendo o maior de entre eles, chegando o seu peso a ser superior aos 300 quilos. A sua pelagem é mais grossa e mais clara que a dos restantes tigres;
Habitat: O seu habitat encontra-se actualmente confinado à região do rio Amur no Extremo Oriente;
Hábitos: É um animal solitário, excepto na altura do acasalamento, e mais activo de noite e ao crepúsculo. É um carnívoro predador que usa como método de caça a emboscada. As suas principais presas são os javalis, alces, renas e cervos, mas caçam também outros mamíferos, bem como aves e peixes, como o salmão;
Reprodução: O acasalamento pode ter lugar em qualquer época do ano, dependendo da receptividade das fêmeas. O período de gestação varia entre os 3 meses e os 3 meses e meio. Cada ninhada não vai além da 3 a 4 crias;
Estatuto de conservação da subespécie: "Em perigo crítico", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza. É uma das cinco subespécies de tigre ainda existentes. Três outras encontram-se já extintas. Estima-se que, actualmente, existam apenas cerca de 400 indivíduos desta subespécie de tigre, em estado selvagem e em zonas protegidas, número inferior ao dos que se encontram em cativeiro. As principais ameaças que pairam sobre este tigre advêm da caça (que lhe é movida para aproveitamento da sua pele e para o comércio de órgãos utilizados na medicina tradicional chinesa) e da destruição do seu habitat.
Mais informação: aqui.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Mara ou Lebre-da-patagónia

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Mara ou Lebre-da-patagónia é o nome do animal da imagem, com o nome científico de Dolichotis patagonum Zimmermann.
Características: É um mamífero roedor relativamente grande, chegando a pesar entre 8 a 16 quilos. As Maras são boas corredoras, sendo dotadas de patas compridas ;
Habitat: Têm o seu habitat na Patagónia (Centro e Sul da Argentina e do Chile);
Hábitos: Esta espécie é monógama. As crias são guardadas em "creches" comunitárias. Alimentam-se de ervas e de pasto. São animais diurnos;
Reprodução: As Maras têm entre 3 e 4 ninhadas por ano, com 2 a 3 crias por ninhada. O período de gestação anda à volta de 80 dias;
Estatuto de conservação da espécie: "Quase ameaçada", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
A população de Maras tem vindo a diminuir devido ao aumento das áreas cultivadas e à competição resultante da introdução da lebre europeia.
Mais informação: aqui (sítio em língua espanhola) e aqui.

domingo, 21 de setembro de 2008

Mosca-dos-estábulos

(Para ampliar,clicar sobre a imagem)
Mosca da espécie Stomoxys calcitrans L. (Sinónimos: Conops calcitrans L.; Musca occidentis Walker; Stomoxis dira Robineau-Desvoidy; Stomoxis inimica Robineau-Desvoidy; Stomoxys cybira Walker; e Stomoxys parasita Fabricius).
Não tão vulgar quanto a mosca-doméstica, com a qual tem grandes semelhanças, embora seja maior, nem por isso deixa de ser comum e é mais agressiva do que aquela. É também designada vulgarmente pelos nomes de Mosca-varejeira, ou simplesmente Varejeira. Põe os seus ovos na carne em putrefacção e dela se alimentam as suas larvas, depois de eclodirem. Na fase adulta, esta espécie alimenta-se de sangue de animais, embora não exclusivamente, sangue que suga depois de rasgar a pele com a sua picada. Por esta sua característica, esta mosca é também designada em França por mouche piquante.

Vespa em grande plano

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Vespa da espécie Polistes dominula (us) Christ, designada vulgarmente por Vespa-de-papel-europeia.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Búfalo-africano

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Terminada digressão pela fauna peruana, eis-nos de regresso a animais fotografados no país, no caso, a um exemplar de Búfalo-africano (nome científico: Syncerus caffer Sparrman) existente no Jardim Zoológico de Lisboa.
Características: É um animal mamífero que atinge grandes dimensões ( 1,7 metros de altura, 3 metros de comprimento e à volta de 900 quilos de peso). A espécie tem pelagem negra e possui cornos largos virados para trás;
Habitat: O búfalo-africano, é, como o nome indica, originário de África, onde vive em savanas, ao Sul do Saará;
Hábitos: Alimentam-se sobretudo de ervas e vivem, como regra, em grandes manadas;
Reprodução: O acasalamento pode ocorre em qualquer altura do ano, embora seja mais frequente na época das chuvas. O período de gestação é de aproximadamente trezentos e quarenta dias;
Estatuto de conservação da espécie: "Dependente de medidas de conservação", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
O número de indivíduos desta espécie tem, com efeito, vindo a diminuir, devido à caça e ao aumento das áreas cultivadas com a consequente regressão do seu habitat. Saliente-se, entretanto, que a criação de parques nacionais e de reservas em diversos países africanos tem contribuído para a sua conservação.
Mais informação: aqui e aqui.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Fauna peruana # 13 - Aves não identificadas

(1)

(2)


(3)

(4)

(5)

(6)


(7)

(8)

(9)



Não obstante os esforços dispendidos, quer no local (Peru), quer em buscas posteriores na internet, não me foi possível identificar as aves das imagens supra (1 a 9). Mesmo assim, entendi carreá-las para o blogue, partilhando com os visitantes a beleza das aves. E quem sabe, se entre os visitantes não poderá surgir alguém com a possibilidade e a disponibilidade para contribuir para a sua identificação, contribuição que antecipadamente se agradece.
Entretanto, dá-se aqui por finda a série que tem vindo a ser publicada sobre a "Fauna peruana".

(As imagens poderão ser ampliadas, clicando sobre elas)

Fauna peruana # 12 - Marreca-pardinha

(1)

(2)

Aves da espécie com o nome científico de Anas flavirostris Vieillot, (género: Anas; família: Anatidae) designada pelos nomes de: Marreca-pardinha, assobiadeira, assoviadeira, danadinha, marreca-assobiadeira, marreca-assoviadeira, marreca-pintada e parda-pequena, em português; de pato barcino, pato paramuno, pato jergón e cerceta barcina, em espanhol; e de Speckled Teal, em inglês. Tem o seu habitat na América do Sul, designadamente nas regiões andinas. Em termos de conservação goza do estatuto de "Pouco preocupante".
As imagens foram obtidas em Puno, no Lago Titicaca (foto 1) e nas proximidades de Sicuani, povoação situada no caminho entre Puno e Cusco (foto 2).

(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

Fauna peruana # 11 - Urubu-de-cabeça-preta

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Ave denominada Urubu-de-cabeça-preta (Coragyps atratus Bechstein) e que no Peru é conhecido pela designação de "Gallinazo preto" ou simplesmente "Gallinazo". Esta ave alimenta-se da carniça de animais mortos, de fruta em decomposição e de restos lançados nas lixeiras a céu aberto. Pertence ao grupo designado por "abutres do Novo Mundo".
A imagem foi captada nas proximidades do "Bosque Pomac", Província de Ferreñafe, Departamento de Lambayeque.

Fauna Peruana # 10 - "Viringo"


Imagens de um "Viringo" nome atribuído no Peru ao cão (Canis lupus familiaris L.) da raça denominada "Cão Pelado Peruano". O "Viringo" é reconhecido oficialmente como património nacional do Peru.

domingo, 14 de setembro de 2008

Fauna peruana # 9 - O Peru (ave)

(Peru)

(Peru)

(Peruas)

Embora a ave com a designação, em português, de Peru (Meleagris gallopavo) continue a existir em estado selvagem, quer os perus, quer as peruas das imagens são domesticados. Dada a beleza das aves em questão não resisti a incluí-los nesta série relativa à flora peruana, país este onde são designadas simplesmente por pavo, sendo também conhecidas por guajolote. Como resulta das imagens, nesta espécie existe forte dimorfismo sexual.
As imagens foram captadas na estância turística Las Dunas, em Ica.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

sábado, 13 de setembro de 2008

Fauna peruana # 8 : Pomba-do-pacífico





Pomba da espécie Zenaida meloda Tschudi, conhecida no Peru pelo nome vulgar de Cuculí. Em inglês, é designada pelos nomes de West Peruvian Dove e Pacific Dove, expressão esta que, à falta de designação em português, traduzi para "Pomba-do-pacífico".
O seu estatuto de conservação é, segundo a UICN, "pouco preocupante".
A ave das imagens foi fotografada na cidade de Ica - Peru.
(As imagens poderão ser ampliadas clicando sobre elas)
(Esta mensagem foi reeditada)

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Fauna peruana # 7 : Corvo-marinho ou Cormorão

A ave da imagem é um corvo-marinho ou cormorão (género Phalacrocorax), admitindo, com dúvidas, que se trate da espécie Phalacrocorax brasilianus Gmelin, espécie que, no Brasil, é designada por Biguá. A imagem foi obtida no Lago Titicaca.

domingo, 7 de setembro de 2008

Fauna Peruana # 6 - Ganso-andino

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Com o nome científico de Chloephaga melanoptera Eyton, estas aves são designadas, no Peru, pelos nomes vulgares de "Huallata" e de "Ganso andino" e em língua inglesa pelo nome de Andean Goose. Alimentam-se de ervas (como a foto documenta) e, como o seu nome indica, vivem na Cordilheira dos Andes. A fotografia foi captada em Raqchi, na Província de Canchis, Departamento de Cusco. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, o seu estututo de conservação é "pouco preocupante".

sábado, 6 de setembro de 2008

Fauna Peruana # 5 - Plegadis ridgwayi

Com o nome científico de Plegadis ridgwayi Allen, a ave das imagens é designada, em língua espanhola, pelos nomes vulgares de Ibis de la Puna, cuervillo puneño e yanavico e, em língua inglesa, pelo nome de Puna ibis. Habita em zonas húmidas do Chile, Bolívia, Argentina e Peru, incluindo o Lago Titicaca, onde as imagens supra foram captadas. Não encontrei designação em língua portuguesa, mas talvez não seja descabido atribuir-lhe a designação de Ibis-de-Puna, traduzindo para português os nomes vulgares nas línguas espanhola e inglesa. O seu estatuto de conservação é "pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da natureza (UICN).
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Fauna Peruana # 4 - O Lama

(Lamas a pastar nos terraços de Machu Picchu)

(Lama contemplativo em Machu Picchu)


(Passeando em Machu Picchu)


(No descanso, em Machu Picchu)

(Rebanho em La Raya, na viagem entre Puno e Cusco)


(Lama curioso em La Raya)

(Lamas desconfiados, em La Raya)

O Lama ou Lhama, na terminologia brasileira, (nome científico: Lama glama L.) não podia faltar numa série sobre a fauna peruana. Tal como a Alpaca, é um mamífero ruminante da América do Sul e tal como a Alpaca encontra-se domesticado. É utilizado quer no transporte de carga, quer na produção de lã, carne e couro. Os Lamas têm o seu habitat natural na Cordilheira dos Andes, mas existem já rebanhos deste animal noutros pontos do Globo, designadamente, na Europa, Estados Unidos, Japão e Nova Zelândia.
(As imagens poderão ser ampliadas, clicando sobre elas)

Fauna Peruana # 3 "Bello Turtupilín"

(Para ampliar,clicar sobre a imagem)
"Bello turtupilín" é a designação atribuída pelos peruanos a esta ave, com o nome científico de Pyrocephalus rubinus obscurus, de acordo com informação recolhida em "Descubriendo Peru", Ediciones del Hipocampo S.A.C. (Lima - Peru, 2006). A ave foi fotografada nas imediações da Huaca de la Luna, Cidade Moche, Província de Trujillo, Departamento La Libertad. Ignora-se a sua designação, em português, bem como o seu estatuto de conservação.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Fauna Peruana # 2 - Alpaca



Imagens de Alpaca (Lama pacos L.), mamífero sul-americano aparentado com o Lama, sendo menor que este e com uma pelagem mais longa e macia. O animal é criado na América do Sul (sobretudo no Peru, Equador, Chile e Bolívia) visando principalmente o aproveitamento da lã. Estatuto de Conservação: Domesticado. As imagens foram recolhidas em Ica.
(As imagens poderão ser ampliadas, clicando sobre elas)

Fauna Peruana # 1




Imagens de uma ave designada pelos peruanos como "Cuclillo grisáceo" e com o nome científico de Coccyzus melacoryphus, Vieillot, de acordo com informação recolhida em "Descubriendo Peru", Ediciones del Hipocampo S.A.C. (Lima - Peru, 2006). A ave foi fotografada nas imediações da Huaca de la Luna, Cidade Moche, Província de Trujillo, Departamento La Libertad. Segundo a Wikipédia, a ave em questão é designada, em língua portuguesa, por "Papa-lagarta-acanelado".
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.

De regresso ao trabalho ...

Depois de uma interrupção de alguns dias motivada por uma viagem ao Peru, retomam-se os trabalhos no "Biólogo Amador". Aproveitar-se-ão algumas imagens colhidas durante a viagem (a começar pela bandeira com as cores do Peru que encima esta nota) para documentar alguns aspectos da vida daquele país sul-americano. No "Biólogo Amador", publicar-se-ão as fotografias que foi possível captar relativas à fauna peruana e no Botânico Aprendiz na Terra dos Espantos, as imagens referentes à flora do mesmo país, enquanto que para o Terra dos Espantos se reservarão imagens das suas paisagens, monumentos e sítios arqueológicos visitados. Procurar-se-á, por esta forma dar uma ideia, necessariamente simplificada, do país visitado. A pretensão em ir mais além seria pura presunção, pois, em poucos dias, não é possível captar a realidade profunda de qualquer povo.