sábado, 27 de novembro de 2010

Milhafre-preto (Milvus migrans)

Milhafre-preto (Milvus migrans Boddaert)

Ave da família Accipitridae, distribui-se por vastas regiões da Europa, Ásia, África, Austrália e Oceania, como residente nas regiões tropicais, como migradora de verão nas regiões temperadas da Europa e da Ásia e como migradora de inverno em algumas regiões de África e da Austrália.
 Permanece em Portugal, onde nidifica, de Março a Agosto, havendo, no entanto registo de alguns avistamentos durante os restantes meses do ano. Distribui-se por todo o território do Continente, de forma não regular, sendo mais abundante no interior do Alentejo, no Ribatejo, nas Beiras (Alta, Baixa e Litoral) e em Trás-os-Montes e Alto Douro.
Como ave de rapina que é,  contam-se entre as suas presas outras aves, pequenos mamíferos, anfíbios e repteis, mas como bom oportunista alimentar que também é, o Milhafre-preto varia a sua dieta de acordo com as disponibilidades existentes, podendo procurar alimento em lixeiras e aproveitar-se, como necrófago, de cadáveres de outros animais.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data: Udaipur - Índia; 24- Agosto - 2010)
(Clicando na imagem, amplia)

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Cenas da vida animal : Macaco-de-barrete (Macaca radiata )



Cena familiar: fêmea de Macaco-de-barrete (Macaca radiata  É. Geoffroy) tratando da pelagem dum macho. No meio dos dois, uma cria.
(Local e data: Ilha de Elephanta* - Mumbai - Índia; 28 - Agosto - 2010)
(*Refira-se,como curiosidade que o nome foi dado à ilha pelos portugueses. Se quiser saber porquê, dê uma vista de olhos a este sítio, escrito em inglês)
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 21 de novembro de 2010

Grou-do-Japão (Grus japonensis)

Grou-do-japão (Grus japonensis Müller)

Também designada por Grou-da-manchúria, esta ave da família Gruidae , distribui-se pelo leste da Ásia (sudeste da Rússia, nordeste da China, norte da Coreia e do Japão), onde vive em zonas húmidas, nas proximidades de lagos e lagoas  e em campos de cultivo, locais onde se alimenta de plantas aquáticas e doutras herbáceas, de insectos e de outros invertebrados, bem como de peixes e anfíbios.
Estatuto de conservação da espécie: "Em perigo", devido, sobretudo, á destruição do seu habitat pela expansão das actividades agrícolas e industriais. A espécie está incluída num Programa Europeu de Reprodução de Espécies Ameaçadas.
(Clicando na imagem, amplia)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Anseranas semipalmata



Anseranas semipalmata Latham

Esta ave, com a designação científica de Anseranas semipalmata  é o único membro do género Anseranas e da família Anseranatidae. Reside e nidifica no sul da Nova Guiné e no norte da Austrália. É designada, em inglês, por Magpie Goose, em francês, por Canaroie semipalmée e, em espanhol, por ganso urraca, ou ganso overo. Não encontrei designação comum em língua portuguesa.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data: O exemplar das imagens foi hoje mesmo fotografado no Parque da Paz, em Almada, onde acompanhava vários gansos-do-egito que por ali vagueiam em liberdade. Tão distante do seu habitat natural, é certamente um indivíduo evadido dalgum jardim zoológico.)
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 14 de novembro de 2010

Pinguim-africano (Spheniscus demersus)


Pinguim-africano, ou Pinguim-do-cabo (Spheniscus demersus L.)

Ave da família Spheniscidae, o Pinguim-africano tem o seu habitat na costa africana (África do Sul e Namíbia) alimentando-se de pequenos peixes, moluscos e crustáceos que captura em águas pouco profundas.
Estatuto de conservação da espécie: "Vulnerável", devido à diminuição de presas, à poluição costeira e ao roubo de ovos.
(Clicando nas imagens, amplia) 

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Alvéola-amarela (Motacilla flava iberiae)



Já se publicaram aqui no "Biólogo" imagens de duas subespécies de Alvéola-amarela ( Motacilla flava flava e Motacilla flava feldegg ).Trazemos hoje imagens da subespécie Motacilla flava iberiae que se caracteriza, principalmente, pela garganta e lista supraciliar brancas. É a  única subespécie que ocorre e nidifica na Península Ibérica, embora, tal como as restantes, passe grande parte do outono e do inverno em África. Em Portugal tende a concentrar-se nas regiões próximas do litoral, sendo rara no interior.
(Fotos obtidas nas proximidades da Ria de Aveiro)
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Massarongo-do-senegal (Poicephalus senegalus)

Massarongo-do-senegal (Poicephalus senegalus L.)

Espécie da família Psittacidae  distribui-se por vários países da África ocidental, ocupando uma zona que vai desde a Gâmbia, Mauritânia e Mali, a norte, até aos Camarões, a sul.
A espécie subdivide-se em três, a saber : Poicephalus s. senegalus (na imagem); Poicephalus s. versteri; e Poicephalus s. mesotypus.
Estatuto de conservação da espécie: "pouco preocupante" ainda que a espécie seja objecto de caça intensiva para venda como ave de estimação. Também é criada em cativeiro, com idêntica finalidade.
(Clicando na imagem, amplia)
(Nota: Este "post" foi alterado na sequência da observação feita no 1º comentário aqui publicado. Ao autor, os meus agradecimentos)