sábado, 29 de fevereiro de 2020

Verdilhão (Chloris chloris)

Verdilhão *( Chloris chloris L.; Sinónimo: Carduelis chloris L.)
Família: Fringillidae;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
Outros nomes comuns: Verdelhão; Verdilhão-comum; Verdizela; Milheira-amarela; Amarelão.
Mais informação: aqui.
(Local e data do avistamento: Seixal; 26 - Fevereiro - 2020)
(Clicando na imagem, amplia)

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Pilrito-comum (Calidris alpina)




Pilrito-comum ou Pilrito-de-peito-preto (Calidris alpina L.)
Família: Scolopacidae;
Estatuto de Conservação da espécie: "Pouco preocupante"
[Local e data do avistamento: Estuário do Tejo (Baía do Seixal); 26- Fevereiro - 2020]
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Chamariz ou Milheirinha (Serinus serinus)

 
(Fêmea)

(Macho)
Chamariz ou Milheirinha (Serinus serinus L.)
Família: Fringilidae;
Esatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante"
Mais informação: aqui.
(Local e data do avistamento: Seixal; 25 - Fevereiro - 2020)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Frisada (Mareca strepera) (fêmea)







Frisada (Mareca strepera L.) (fêmea)

Pato de média dimensão (46 a 56 cm de comprimento; 78 a 90 cm de envergadura; e com cerca de 900 gr. de peso) ocorre em Portugal como residente e nidificante raro ou pouco comum e como invernante não muito comum.
Em Portugal encontra-se principalmente na região sul do país, onde frequenta, sobretudo, estuários, salinas e lagoas costeiras, mas também barragens e açudes no interior.
Família: Anatidae;
Reprodução: o ninho é construído no solo, por entre vegetação densa e na proximidade da água. As posturas variam entre 8 e 12 ovos, durando a incubação entre 24 e 26 dias. As crias dispersam-se, tornando-se independentes, cerca de um mês e meio após a eclosão e o abandono do ninho.
Alimentação: a dieta desta ave é constituída essencialmente por material vegetal, mas também por insectos e outros pequenos animais que obtém, quer à superfície, quer na coluna de água.
Estatuto de conservação da espécie em Portugal: população residente:" Vulnerável"; população invernante: "Quase ameaçada".


[Local e data do avistamento: Ludo (Loulé - Algarve); 11 - Março - 2019]
(Clicando nas imagens, amplia)

(Disponíveis imagens do macho: aqui)

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Torcicolo (Jynx torquilla)







Torcicolo *(Jynx torquilla
Ave da família dos Pica-paus (Picidae), com cerca de 17 cm de comprimento, o Torcicolo ocorre em Portugal como ave estival e migradora de passagem pouco comum, mas não rara e como invernante rara. Durante a época estival permanece no país desde Abril a Outubro, distribuindo-se de forma dispersa ao longo de todo o território do Continente, frequentando zonas de matos e bosques, mas também áreas agrícolas. Como invernante há, pelo menos, registos da sua presença no Alentejo e na península de Setúbal. 
Alimentação: a dieta do Torcicolo é constituída essencialmente por formigas e outros insectos.
Reprodução: o ninho é construído em cavidades de árvores, paredes, taludes e barreiras de terra. Em cada época de reprodução podem ocorrer 1 ou 2 posturas com 7 a 10 ovos cada. Os ovos são incubados durante 12 a 14 dias, permanecendo as crias no ninho durante 18 a 22 dias após a eclosão.
Estatuto de conservação da espécie a nível global: "pouco preocupante". 
* Outros nomes comuns: Cabeça-de-cobra; Doudinha; Formigueiro; Gira-pescoço; Papa-formigas.
Local e data do avistamento: Almada; 2 - Fevereiro - 2020
(Clicando nas imagens, amplia)