terça-feira, 16 de outubro de 2018

Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo)



Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo L.)
Ave da família Phalacrocoracidae, ocorre em Portugal sobretudo como invernante bastante comum, embora também haja referências a avistamentos noutras épocas do ano. Nos últimos tempos têm também sido reportados vários casos  de nidificação, em particular na zona da barragem de Alqueva.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
Local e data do avistamento:  Almada - Parque da Paz; 17- Outubro-2018;
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 14 de outubro de 2018

Papa-moscas-preto (Ficedula hypoleuca)



Papa-moscas-preto (Ficedula hypoleuca Pallas)
Um migrador de passagem que, pelos vistos, não tem muita pressa em seguir viagem até África para ali invernar.
(Local e data do avistamento: Parque da Paz - Almada; 13 - Outubro - 2018)
(Clicando nasimagens, amplia)

sábado, 13 de outubro de 2018

Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola)





Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola L.)
Ave da família Charadriidae, ocorre em Portugal, sobretudo, como invernante e migradora de passagem. Permanecem, no entanto, em território português, fora do período de invernada, algumas centenas de aves ainda não reprodutoras.
A população invernante pode atingir alguns milhares de indivíduos (entre 5000 e 10000) frequentando principalmente as áreas estuarinas e as rias, com relevo para os estuários do Tejo e do Sado, para a Ria Formosa (no Algarve) e para a Ria de Aveiro.
Estatuto de conservação da espécie: "pouco preocupante"
(Local e data do avistamento: Estuário do Tejo - Baía do Seixal; 12 -Outubro - 2018)
(Clicando na imagem, amplia)

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Seixoeira (Calidris canutus)



Seixoeira (Calidris canutus L.)
Ave limícola da família Scolopacidae, ocorre em Portugal sobretudo como migradora de passagem (em direcção a África, onde maioritariamente inverna, de Agosto a Outubro, na migração pós-nupcial e em direcção às regiões onde se reproduz, no Árctico, entre Abril e Maio, na migração pré-nupcial).  Sabe-se, no entanto, que a espécie ocorre também em Portugal como invernante, embora pouco comum, pois permanecem no país algumas centenas de indivíduos durante a invernada.
A sua dieta é essencialmente constituída por pequenos moluscos.
Estatuto de conservação da espécie: em geral "pouco preocupante".
[Local e data do avistamento: Ria de Alvor, Odiáxere, concelho de Lagos (Algarve); 27 - Setembro - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Maçarico-galego (Numenius phaeopus)




Maçarico-galego * (Numenius phaeopus L.)
Ave limícola que ocorre em Portugal sobretudo, como migrador de passagem, durante os meses de Abril e Maio, em direcção às regiões árticas, onde nidifica e durante os meses de Agosto a Outubro, em direcção a África, onde inverna. Há, no entanto, uma população que permanece em Portugal  nas zonas costeiras do Sul do país, durante toda a invernada.
Família: Scolopacidae;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante"
* Outros nomes comuns: Meio-maçarico; Sovela.
(Local e data do avistamento: Estuário do Tejo - Baía do Seixal; 11 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

Papa-moscas-cinzento (Muscicapa striata)


Papa-moscas-cinzento, ou Taralhão-cinzento (Muscicapa striata Pallas)
Família: Muscicapidae;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante";
(Local e data do avistamento: Parque da paz - Almada; 8 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Chasco-cinzento (Oenanthe oenanthe)


 Chasco-cinzento ou Chasco-do-monte (Oenanthe oenanthe L.) 
Ave da família Muscicapidae, distribui-se por toda a zona temperada do hemisfério norte, onde nidifica, mas migra para África durante o inverno. Em Portugal ocorre, quer como nidificante estival, não muito comum,  nidificando nas zonas altas do centro e norte do país, quer como migrador de passagem. 
Especialmente durante a migração para África, no Outono, o Chasco-cinzento é uma ave relativamente comum em Portugal, podendo ser avistada em todo o território do Continente, sobretudo em terrenos abertos e descampados;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data do avistamento: Trafaria, concelho de Almada; 9 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Garça-real (Ardea cinerea)



Garça-real, Garça-cinzenta ou Airão (Ardea cinerea L.). 
A Garça-real é a maior das garças avistadas em Portugal, onde ocorre, quer como residente e nidificante, quer sobretudo como migradora de passagem e como invernante. Pode ser encontrada em zonas húmidas, sobretudo no litoral, mas também no interior, designadamente em estuários, lagoas, barragens, açudes, rios, valas e mesmo em arrozais. 
Família: Ardeidae;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
(Local e data do avistamento: estuário do Tejo  - Seixal; 2 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 6 de outubro de 2018

Perna-verde-comum (Tringa nebularia)



Perna-verde-comum ou Maçarico-cinzento (Tringa nebularia Gunnerus)
Ave da família Scolopacidae, ocorre em Portugal sobretudo como espécie invernante (pouco numerosa) e como migradora de passagem (de Março a Maio para os locais de nidificação no Norte da Europa e a partir do final do Verão em direcção a África, local onde, em grande número, passa a invernada). A espécie pode, no entanto, ser observada em Portugal, durante todo o ano, visto que aqui permanecem alguns (poucos) exemplares não reprodutores. 
As populações invernante e migradoras (aquela, aparentemente mais numerosa do que as restantes) raramente são avistadas no interior do país, encontrando-se sobretudo ao longo do litoral, ocorrendo as maiores concentrações na Ria Formosa (Algarve) e nos estuários do Tejo e do Sado.
Semelhante ao Perna-vermelha-comum, dele se distingue, no entanto, com relativa facilidade, se se atentar na cor das pernas (verdes) e no bico ligeiramente encurvado. 
Estatuto de conservação da espécie: "pouco preocupante".
[Local e data: estuário do Tejo (Seixal); 2 - Outubro - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Pilrito-comum (Calidris alpina)



Pilrito-comum ou Pilrito-de-peito-preto (Calidris alpina L.)
Ave limícola que ocorre em Portugal como invernante e migradora de passagem. É relativamente comum,  mas não nidifica no país. 
Família: Scolopacidae;
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data do avistamento: Estuário do Sado - Carrasqueira, concelho de Alcácer do Sal; 25 - Setembro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Galinha-d'água (Gallinula chloropus)


Galinha-d'água (Gallinula chloropus L.)
Ave residente e nidificante em Portugal. Distribui-se por todo o território do Continente bem como pelos arquipélagos dos Açores e da Madeira, sendo possível encontrá-la em grande parte das zonas húmidas, com águas paradas, ou pouco movimentadas, em cujas margens nidifica. A sua distribuição não é, no entanto, uniforme: mais abundante no Sul do território do Continente, é muito menos abundante no Norte e Centro, revelando que não aprecia as zonas montanhosas e é pouco comum nos Açores e na Madeira.
Classificação: Ordem: Gruiformes; Família: Rallidae.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data do avistamento: Parque da Paz - Almada; 4 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Maçarico-de-bico-direito (Limosa limosa)




Maçarico-de-bico-direito (Limosa limosa L.) 
Ave limícola que nidifica nos países do Norte e do Centro da Europa. Em Portugal ocorre quer como invernante, quer como ave migradora durante a sua travessia para África, onde a maioria passa a invernada, quer durante o regresso (em Janeiro e Fevereiro) às zonas de nidificação, altura em que é mais abundante.
Classificação: Ordem: Charadriiformes; Família: Scolopacidae; Género: Limosa.
Estatuto de conservação da espécie: em Portugal: "Pouco preocupante"; a nível global: "Quase ameaçada".
(Local e data do avistamento: Baía do Seixal - Estuário do Tejo; 2 Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Gralha-preta (Corvus corone)





A Gralha-preta (Corvus corone L.) (em inglês: Carrion Crow) é uma ave da família Corvideae (Ordem: Passeriformes) que se distribui pela Europa Ocidental, por boa parte da Ásia, incluindo a Sibéria e pelo Norte de África. É ave residente e nidificante em Portugal onde se distribui,  embora não uniformemente, por quase todo o território do Continente, sendo, no entanto, pouco comum no Algarve e nas zonas fronteiriças do Alto e Baixo Alentejo. É uma ave omnívora que pode ocorrer numa multiplicidade de habitats, incluindo em parques urbanos.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Locais e data do avistamento: Amora e Seixal; 2 - Outubro - 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Flamingo-comum (Phoenicopterus roseus)






Flamingo-comum *(Phoenicopterus roseus Pallas)
Ave da família Phoenicopteridae com grande altura (pode atingir perto de 1 metro e meio) e de não menor envergadura de asas (cerca de 1,70 m) tem o seu habitat em algumas regiões do continente africano, no Sudoeste e Sudeste da Ásia e no Sul da Europa (incluindo Espanha, Sardenha, Grécia, França, Chipre e Portugal, sendo que em Portugal não nidifica) vivendo em zonas aquáticas pouco profundas;
Reprodução: Estas aves nidificam em colónias, em águas pouco profundas, onde constroem ninhos de lama. Um único ovo é ali depositado e incubado. Período de incubação: 30 dias;
Alimentação: consiste em pequenos crustáceos, algas e outro plâncton que os flamingos filtram através do bico com forma muito peculiar, como se pode observar nas imagens supra.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
* outros nomes comuns: Flamingo; Flamingo-rosado.
[Local e data do avistamento: Ludo - Faro (Algarve); 26 - Setembro - 2018] 
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 29 de setembro de 2018

Andorinha-dáurica (Cecropis daurica)




Andorinha-dáurica (Cecropis daurica L.)
Família:Hirundinidae;
Estatuto de conservação da espécie: "pouco preocupante"
Em Portugal ocorre como migradora estival e nidificante. Relativamente comum, é mais numerosa no interior do país do que no litoral. 
Mais informação: aqui.
[Local e data do avistamento: Ria Formosa - Tavira (Algarve); 26 - Setembro 2018]