quinta-feira, 21 de abril de 2016

quarta-feira, 13 de abril de 2016

sábado, 9 de abril de 2016

sábado, 2 de abril de 2016

Borboleta-Carnaval (Zerynthia rumina)

Após um prolongado interregno no que respeita à publicação de imagens de borboletas surge agora esta foto de um exemplar de Borboleta-Carnaval (Zerynthia rumina L.) recentemente fotografada na Serra de S. Luís (Arrábida).
Trata-se duma espécie da família Papilionidae (subfamília: Parnassiinae; tribo: Luehdorfiini) com cerca de 5 cm de envergadura.
Época de voo: de Fevereiro a Julho.
Distribuição: Sudoeste Europeu (Portugal, Espanha, França e Gibraltar) e Norte de África. Em Portugal distribui-se por todo o território do Continente, embora seja escassa a norte do Mondego.
Habitat: jardins e  terrenos de matos, em encostas com boa exposição solar. 
Plantas hospedeiras: Plantas do género Aristolochia, onde são postos os ovos e cujas folhas servem de alimento às larvas após a eclosão.
Estatuto de conservação da espécie: "Em perigo", segundo a UICN.
[Local e data: Serra de S. Luís (Arrábida) - Setúbal; 1 - Abril - 2016]
(Clicando na imagem, amplia)

quinta-feira, 31 de março de 2016

Colhereiro- europeu (Platalea leucorodia)





Colhereiro-europeu (Platalea leucorodia L.)
Ave da família Threskiornithidae, ocorre em Portugal, quer como residente e nidificante, quer como invernante e como migrador de passagem. A população residente, que tem vindo a aumentar nos últimos vinte anos, distribui-se sobretudo pelas zonas húmidas ao longo da faixa costeira, embora também se encontrem alguns núcleos no interior sul do país. O aparecimento  da espécie no litoral norte é raro.
A alimentação desta espécie é constituída sobretudo por insectos e suas larvas, pequenos peixes, moluscos, crustáceos, rãs, vermes, pequenos répteis e por alguma matéria vegetal.
Nidifica, geralmente, em colónias, mais ou menos numerosas, por vezes em associação com garças, estabelecendo o ninho, por via de regra, em árvores, havendo porém casos de ninhos instalados sobre arbustos e outra espécie de vegetação palustre.
As posturas podem variar entre 2 e 6 ovos que são incubados durante 24 ou 25 dias. Após a eclosão, as crias permanecem no ninho durante cerca de 30 dias e  estão em condições de voar com  45 a 50 dias  de vida.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante". Em Portugal, no entanto, a espécie tem o estatuto de "Vulnerável".
(Local e data: Estuário do Sado; 28 - Fevereiro - 2016)
(Clicando nas imagens; amplia)

domingo, 20 de março de 2016

Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola)



Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola L.)
Ave da família Charadriidae, ocorre em Portugal, sobretudo, como invernante e migradora de passagem. Permanecem, no entanto, em território português, fora do período de invernada, algumas centenas de aves ainda não reprodutoras.
A população invernante pode atingir alguns milhares de indivíduos (entre 5000 e 10000) frequentando principalmente as áreas estuarinas e as rias, com relevo para os estuários do Tejo e do Sado e para as rias Formosa e de Aveiro.
Estatuto de conservação da espécie: "pouco preocupante"
(Local e data: Estuário do Tejo (Seixal); 24- Janeiro - 2015)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 1 de março de 2016

domingo, 28 de fevereiro de 2016

sábado, 27 de fevereiro de 2016

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Zarro-comum (Aythya ferina) (Macho)

Zarro-comum *(Aythya ferina L.) (Macho)
*Outros nomes comuns: Zarro; Cabeça-ruiva; Tarrantana; Caturro.
[Local e data: Lagoa dos Salgados (Algarve); 23 - Maio - 2015]
(Clicando na imagem, amplia)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Gaivota-de-asa-escura (Larus fuscus)


Gaivota-de asa-escura (Larus fuscus L.) 
Habitat: Esta espécie habita nas costas europeias do Atlântico, incluindo Portugal, onde é possível encontrá-la durante todo o ano, embora seja mais abundante durante o período de invernia. Durante esse período é possível ver centenas de indivíduos desta espécie nos estuários, nas praias e portos da costa portuguesa.
Alimentação: espécie  omnívora.
Reprodução: Nidifica em colónias. O ninho, de estrutura muito simples, é construído no chão ou em arribas. Cada postura não vai além de 3 ovos.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante", segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.
(Local e data: Parque da Paz - Almada; 4 - Janeiro - 2015)