sábado, 24 de julho de 2010

Lagartixa-do-mato (Psammodromus algirus)

Juvenil de Lagartixa-do-mato (Psammodromus algirus L.)
Esta espécie de réptil (Classe) da família Lacertidae distribui-se por Portugal, Espanha França e Itália  e pelo norte de África (Marrocos, Argélia e Tunísia), tendo o seu habitat "em florestas temperadas, vegetação rasteira mediterrânica, praias arenosas, terra arável, pastos, plantações e jardins rurais" (Fonte)
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante".
(Local e data: S. Pedro de Moel; 17-Julho-2010)
(Clicando na imagem, amplia)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Thymelicus sylvestris

Esta pequena borboleta da família Hesperiidae, com a designação científica de Thymelicus sylvestris Poda, distribui-se por quase toda a Europa, norte de África e Médio Oriente. Ocorre também em Portugal.
(Lugar e data: Rapoula do Côa - Sabugal; 16-Junho-2010)
(Clicando na imagem, amplia)

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Panda-vermelho (Ailurus fulgens)

Panda-vermelho (Ailurus fulgens F. Cuvier)
Também designado vulgarmente por Panda-pequeno, Raposa-de-fogo e Gato-de-fogo, o Panda-vermelho é um pequeno mamífero da família Ailuridae (de que é, aliás, o único sobrevivente) que habita nas florestas  temperadas de bambu nas montanhas dos Himalaias. Encontra-se em perigo de extinção (Estatuto de conservação da espécie: "Vulnerável"), devido à destruição do habitat e à caça ilegal. Alimenta-se sobretudo de bambu, mas a sua dieta pode também incluir ovos, pássaros, insectos e pequenos mamíferos.
O Panda-vermelho reproduz-se em cativeiro e existe um programa europeu de reprodução desta espécie em que participa o Jardim Zoológico de Lisboa.
(Clicando na imagem, amplia)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Libélula-de-ventre-plano (Libellula depressa)


Libélula-de-ventre-plano* (Libellula depressa L.)
Insecto da família Libellulidae, é uma das libélulas mais comuns na Europa e na Ásia central.
(*A designação foi importada directamente do espanhol "libélula de vientre plano")
(Local e data: Rapoula do Côa - Sabugal; 21-Junho-2010)
(Clicando na imagem, amplia)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Borboleta Pavão Diurno (Inachis io)


Insecto da família Nymphalidae (Ordem: Lepidoptera) a Borboleta Pavão Diurno (Inachis io L.) distribui-se por toda a zona temperada da Europa e da Ásia.
(Local e data: Rapoula do Côa - Sabugal; 19-Junho-2010)
(Clicando na imagem, amplia)

sábado, 10 de julho de 2010

Garça-boieira (Bubulcus ibis)(Juvenil)

(1)

(2)

(3)

(4)

Enquanto as fotos 1 e 2 (obtidas em 7 de Junho de 2010) nos mostram um juvenil de Garça-boieira, ou Garça-vaqueira (Bubulcus ibis L.) com o bico integralmente escuro, as referenciadas sob os números 3 e 4 (obtidas no mesmo local, um mês depois, em 7 de Julho de 2010) mostram-nos a mesma ave, segundo presumo, com um bico amarelo, como é próprio das aves adultas desta espécie, bico onde apenas restam algumas manchas de cor inicial.
(Local: Parque da Paz - Almada)
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Galeirão-comum (Fulica atra)

Galeirão-comum (Fulica atra L.)
O Galeirão-comum é uma ave, da família Rallidae, que ocorre, como residente e nidificante, na Europa, Ásia, África e Austrália, frequentando zonas húmidas,  providas de água, como pauis, lagoas, incluindo as costeiras, lagos, açudes e charcas, locais onde nidifica. Em Portugal, é mais abundante no sul do território do Continente (Alentejo e Algarve) do que no norte e nas regiões do litoral centro, relativamente ao interior norte e centro. Há também notícia da sua ocorrência, no arquipélago dos Açores, não havendo, no entanto, confirmação de nidificação em nenhuma das ilhas.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante"
(Local e data: Parque da Paz - Almada; 07-Julho-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 4 de julho de 2010

Pardal-francês (Petronia petronia)

Pardal-francês (Petronia petronia L.)
Esta ave, da família Passeridae, distribui-se por vários países da Europa meridional e ocidental e por algumas regiões da Ásia e do norte de África. É uma ave residente e nidificante em Portugal, embora não muito abundante, sendo observável em todo o Alentejo, no Ribatejo, na Beiras (Baixa e Alta) em Trás-os-Montes e Alto Douro e no arquipélago da Madeira, preferindo zonas rochosas com poucos matos, terrenos fracamente arborizados, podendo também ser encontrada em povoações com pequena densidade populacional, ou em povoações abandonadas. Nidifica em cavidades de árvores, em buracos nas paredes de edifícios (sobretudo em edifícios em ruínas) e em escarpas rochosas. É uma ave granívora, mas alimenta-se também de insectos.
Estatuto de conservação da espécie: "Pouco preocupante"
(Local e datas: Rapoula do Côa - Sabugal; 17,18,19-Junho-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Calopteryx splendens

(Macho)

(Fêmea)

(Macho e fêmea  prestes a acasalar)

(Acasalamento)

Este insecto (Classe), com o nome científico de Calopteryx splendens Harris*, da família Calopterygidae** (Ordem: Odonata**; Subordem: Zygoptera) é conhecido entre nós pelos nomes comuns de Libélula, Libelinha e mais apropriadamente (diz quem sabe?) por Donzelinha.
É uma espécie que ocorre na Europa e Ásia e é frequente encontrá-la em Portugal, sobretudo ao longo dos rios. Por exemplo, no rio da minha terra (Côa), onde as imagens foram captadas, é uma espécie muito abundante.
Designação noutros idiomas: Banded Demoiselle (Inglês); Agrion éclatant (Francês); Gebänderte Prachtlibelle (Alemão)

(Na hiperligação assinalada com o sinal *, pode o leitor encontrar mais informação sobre a espécie. O sítio está escrito em inglês, mas a tradução automática funciona menos mal. Em inglês, estão também os textos  para que remetem as hiperligações assinaladas com **).
(Clicando nas imagens, amplia)